Pelo Mundo 

A cidade das crianças

Quem é que nunca ouviu o pessoal mais experiente soltar essa saudade: “no meu tempo a gente brincava na rua”? Aquele futebol jogado com tampinha de garrafa (ou latinha amassada, bola de meia, qualquer coisa que desse pra chutar), a amarelinha que desenhava o asfalto com giz, bola de gude, pipa, betis. Pois é, o tempo passou, a tecnologia se desenvolveu e parece que a rua não pertence mais às crianças.

 

O espaço urbano, por mais que se viva uma onda de ocupação dos lugares públicos pelas pessoas, tem dificuldade em assimilar o universo infantil.

 

Mas o Pelo Mundo de hoje vai te mostrar que as grandes cidades tem tudo a ver com os pequenos cidadãos. Esqueça aqueles playgrounds tradicionais com trepa-trepa, caixa de areia e gira-gira. O City Museum, localizado no meio de St. Louis, nos Estados Unidos, é um dos mais inovadores e incríveis espaços pensados para as crianças do mundo. E o conceito de criança, nesse caso, é bem amplo.

 

Criado pelo artista e escultor Bob Cassilly e inaugurado em 1997, o City Museum pode ser considerado uma instalação de arte para brincar. Após a morte de seu idealizador, em 2011, um grupo de 20 artistas de variadas áreas culturais ficou responsável por dar continuidade ao projeto e promover constantes modificações arquitetônicas, exposições e novidades.

 

O local, construído a partir de uma antiga fábrica, tem dez andares e seis mil metros quadrados. Conta com diversos túneis, escorregadores, quadras, cavernas subterrâneas, uma espetacular roda gigante, um ônibus escolar e dois aviões reinventados, academia de circo, piscina de bolinhas e muitas possibilidades de diversão.

 

Uma das grandes sacadas do City Museum é o reaproveitamento de materiais, além da interatividade com o público e da incessante mutação das estruturas. Confira algumas imagens dessa excêntrica mistura de museu, parque de diversões, instalação de arte e pavilhão surrealista:

[Not a valid template]

Comente