Pelo Mundo 

O escavador de arte

No quesito projetos a longo prazo, o artista norte-americano Ra Paulette é um mestre de dedicação e paciência. Isolado de grandes cidades e do convívio social, ele foi buscar refúgio no meio deserto do México tendo como companhia somente a fidelidade de seu cão.

 

Nos últimos 25 anos, Paulette voltou sua atenção para dentro da terra, criando cavernas de espetaculares vãos luminosos. O trabalho é todo manual, na base do carrinho de mão, pás e picaretas. Após ter sua arte tão singular descoberta por um documentarista, alguns de seus salões subterrâneos já chegam a valer quase 1 milhão de dólares.

 

Hoje com 67 anos, o artista já trabalhou em diversos bicos, largou a faculdade e chegou a viver como andarilho. Numa dessas atividades temporárias atuou na construção de poços operando uma escavadeira. O conceito de cavar, no entanto, iria muito além dessa primeira experiência.

 

Se você está fazendo algo que ama, e se está imerso nisso, você quer fazer o tempo todo.” Assim Paulette resume a sua compulsão em seguir esculpindo o arenito, aperfeiçoando suas obras e inovando a cada nova caverna. Já foram concluídas 12 delas, a maioria encomendada pelos próprios moradores locais. De um estilo poético, com grande esmero aos pequenos detalhes, as concepções são grandiosas, com colunas que chegam aos 40 metros de altura.

 

Ra Paulette não é engenheiro, nem escultor e muito menos arquiteto de formação.  É guiado pela paixão de criar obras com grande apelo espiritual. Uma, por exemplo, se chama “Árvore da Gentileza Humana” e sugere o que chama de “efeito da caverna”, uma mistura de sensações contraditórias de estar num universo subterrâneo que é iluminado e amplo.

 

O documentário que conta um pouco dessa história já venceu alguns prêmios. Dirigido por Jeffrey Karoff, se chama “Cave Digger” e acompanhou por três anos o processo criativo de  Paulette debaixo da terra.

 

O trailer você confere aqui: http://cavediggerdocumentary.com

[Not a valid template]

 

 

Comente