Como e por que associar o esporte e a arte num projeto cultural?

Arte e esporte são fenômenos típicos da modernidade, que se organizaram a partir de mudanças culturais. Não podemos considerar o esporte uma manifestação artística, apesar de reconhecermos um aspecto estético no fenômeno esportivo – ou não existiria, por exemplo, o termo “futebol-arte”. Mas, como criar uma convergência entre esses dois segmentos, que resulte na apresentação de um projeto cultural?

Ora, se belas jogadas de atletas podem ser comparadas à obras de arte, se os dribles de Neymar podem evocar um balé e se Pixinguinha compôs “Um a Zero”, fica claro que há no esporte elementos que possibilitam a ele uma, digamos, ascenção de patamar.

No Brasil, observamos relações entre o esporte e a arte em obras de muitos artistas. Quem não conhece uma música que fale de futebol, além da citada de Pixinguinha? Na literatura, quem não conhece as famosas crônicas de Nelson Rodrigues, que considerava o futebol uma verdadeira ópera?

The Overexcited Body

Como exemplo do que estamos falando, podemos citar a exposição The Overexcited Body – Arte e Esporte na Sociedade Contemporânea, realizada no ano de 2001, no Sesc Pompéia – SP, onde vídeos, fotos e instalações de 33 importantes artistas de 20 países partiam de diferentes modalidades de jogos e competições para fazer uma reflexão sobre o corpo e a sociedade contemporânea. E o que dizer do trabalho da bailarina e coreógrafa Débora Colker? Balé? Circo? Esporte? Na música, na dança, no teatro, no cinema, nas artes visuais, quanta convergência podermos gerar?

Para além das artes, entendemos que o esporte pode, inclusive, convergir com a Educação. Assim promovendo uma bela mediação cultural e o desenvolvimento da sensibilidade estética e crítica.

Então, agora que você já viu que até mesmo uma despretenciosa partida de futebol de botão pode inspirar um artista a ter sua obra reconhecida numa exposição de arte de sucesso internacional , que tal arregaçar suas mangas e planejar aquele projeto cultural bem sucedido?

Redação: Ana Martins

Menu