UM JARDIM ENCANTADO EM CURITIBA

A capital paranaense é palco de estreia da exposição de artes visuais ‘Jardim Sensorial’, que fica em cartaz de 03 de maio a 03 de julho na Ópera de Arame. A mostra recria elementos do universo da fauna e da flora brasileira e mundial a partir de esculturas do artista plástico e designer carioca Marcos Scorzelli. Um jardim pensado para criar encantamento e também para instigar a curiosidade de quem o visita, com formas tridimensionais e uma explosão de cores vibrantes, que se propõe a mostrar mais do que os olhos estão acostumados a ver.

 

Um passeio sensorial que recria elementos do universo da fauna e da flora brasileira e mundial a partir de esculturas do artista plástico e designer carioca Marcos Scorzelli será aberto aos paranaenses. Curitiba foi o cenário escolhido para a estreia da exposição de artes visuais Jardim Sensorial, que chega a um dos cartões-postais da cidade, a Ópera de Arame (R. João Gava, 920) e fica em cartaz de 03 de maio a 03 de julho. Idealizado e realizado pela Guanabara Produções Culturais por meio da Lei de Incentivo à Cultura, a mostra traz obras que compõem um jardim pensado para criar encantamento e também para instigar a curiosidade de quem o visita, com formas tridimensionais e uma explosão de cores vibrantes, que se propõe a mostrar mais do que os olhos estão acostumados a ver. A entrada para visitação da Ópera de Arame custa R$15,00 (inteira) / R$7,50 (meia-entrada).

 

O Jardim Sensorial busca estimular as percepções dos visitantes de forma lúdica e surpreendente. A fauna e a flora serão representadas por uma série de dezesseis esculturas tridimensionais de animais e cinco peças que representam a flora da cidade. Criadas a partir do universo da geometria, as peças gigantes seguem uma técnica semelhante à dos origamis japoneses e são resultantes do vinco e corte da chapa de aço sem soldas, recortes ou sobra de material. 

 

 

O Marcos tem um trabalho fantástico em que ele traz a chapa metálica com dobraduras, como se fossem origamis em tamanho gigante. São peças que têm alma, que têm identidade e que conversam com a gente. E mais do que isso, são peças que permitem a interatividade, que as crianças podem manipular. Elas conversam e criam uma conexão forte com as pessoas, são peças com expressão e com alma. Nada mais interessante do que trazê-las para a Ópera de Arame”, revela Felipe Guerra, que assina a curadoria da mostra. A Ópera de Arame foi uma obra de arquitetura construída 100% em estrutura metálica, dentro de uma antiga pedreira de Curitiba, em apenas três meses, para abrigar o primeiro Festival de Teatro de Curitiba. Então, essa arquitetura metálica vai conversar perfeitamente com as obras metálicas do Marcos. E os espaços entre a arquitetura e a natureza vão servir perfeitamente como pano de fundo para essas peças. Teremos uma conexão, uma conversa direta entre a arquitetura, a natureza e as artes”, completa Felipe.

 

Os bichos de Scorzelli são todos desenvolvidos a partir de uma forma geométrica inicial – um círculo ou retângulo – para em seguida serem transformados pelo designer em um objeto espacial complexo, apenas com a interferência de movimentos precisos. O resultado é uma fauna minimalista e muito colorida, formada por diversos bichos que chegam até três metros de altura, como girafas, polvo, ema, elefante, beija-flor, bicho preguiça, touro, coelho e capivaras, que propiciam inúmeras conexões imaginativas e inventivas e estimulam de forma divertida a cognição de pessoas de todas as idades e classes sociais.

 

 

“Meus animais são ao mesmo tempo a continuidade do sentido lúdico e a problematização da geometria. Nesse sentido, adequam-se ao desenvolvimento de um viés educativo, explorado agora nessa exposição. A aparente simplicidade da transformação de uma forma geométrica plana em um volume espacial complexo, travestido de figuras de bichos coloridos, dinâmicos e cheios de personalidade, vai certamente encantar toda a família. Desde que eu pisei em Curitiba, estou inquieto para criar um dos símbolos da cidade – a capivara, que será feita especialmente para esta mostra.”, comenta o artista e designer Marcos Scorzelli. 

 

 

Com movimentos precisos surgem as formas tridimensionais da flora, que complementa e dialoga com a fauna, e estará representada por cinco peças, como a flor da bracatinga, flor do manacá, vitória régia, pinha e mandacaru. Ela traz um diferencial em que o artista vai trabalhar com positivo (presença da chapa) e negativo (ausência da chapa). Primeiro a projeção da sombra que vai dar no ambiente, com o sol incidindo sobre essas esculturas. As sombras são muito geométricas, assim como são as esculturas. E segundo, o negativo, que é a ausência da chapa. Esse vazio vai proporcionar uma visibilidade através da escultura e a textura de fundo será preenchida sempre por um elemento pertencente à Ópera de Arame, principalmente a natureza ao redor, como a arquitetura metálica do espaço, a água, as rochas, a vegetação e o céu. “Essa sobreposição de planos geométricos estimula a observação do movimento e da geometria das sombras projetadas pelos elementos vazados. Estimula a observação entre o bi e o tridimensional. Será algo surpreendente!”, explica Marcos. 

 Scorzelli sempre parte da premissa de usar cores primárias e muito saturadas. Em um espaço como a Ópera de Arame, que tem essa leitura de uma arquitetura metálica integrada à natureza, com rochas e muita vegetação, é um ambiente perfeito para essas esculturas, porque elas têm cores complementares. Por serem cores muito saturadas, têm um contraste muito grande com a vegetação, com o cinza e com o espelho d’água. “A gente já teve experiências assim no Rio de Janeiro, no Museu do Açude, em que a observação é muito interessante. Eu digo que são crianças de todas as idades que apreciam, pois não são só crianças. Os adultos também ficam muito estimulados, porque como são objetos muito simples e muito lúdicos, a observação desperta uma curiosidade de tentar buscar uma desconstrução e tentar entender de onde surgiu aquele movimento que gerou aquela forma. Acho que a Ópera de Arame é o ambiente perfeito para receber essas peças. São esculturas que estimulam muito a integração da família, de passeios, de visualização, de observação, é um ambiente realmente muito favorável para receber esse material todo”, conta Marcos.

 

“A ideia é aproveitar o espaço, o silêncio e o respiro entre a natureza e a arquitetura, aproveitar esse pano de fundo, esses pequenos interstícios, para acrescentar a obra do Marcos. Então, a gente tem a água, o próprio metal, as esculturas, as estruturas, as pedras, as árvores, tudo isso será aproveitado para que cada peça seja abraçada ou pela arquitetura ou pela natureza ou pelos dois”, finaliza Felipe.

 

 

Acessibilidade e Social

Pensada para ser totalmente acessível, a exposição Jardim Sensorial conta com audiodescrição de todas as esculturas. Além disso, uma versão on-line da mostra ficará disponível para visitação gratuita no site da produtora, clique aqui.

Em paralelo à exposição, serão realizadas também ações sociais externas, como uma palestra sobre inclusão através da arte para 1 mil professores da rede pública e uma oficina de arte com materiais da natureza para alunos de escolas da rede pública de Curitiba ministrada por um artista local.

O projeto Jardim Sensorial tem patrocínio Tetra Pak, Grupo Barigüi, Britânia, Celepar e Da Magrinha; além de parcerias com Instituto Barigüi e Montenegro Produções Culturais.

 

FICHA TÉCNICA

Coordenação Geral: Guanabara Produções Culturais

Direção Artística: Carolina Montenegro

Produção Executiva: Camila Guanabara

Coordenação Técnica: Renato Hollanda Cavalcant

Design Gráfico: Caio Vitoriano

Assistente de Criação: Janine Bello e Patrick Miguel

Assistentes de Produção: Gizah Ferreira e Ruan Brito

Coordenação de Comunicação: Juliana Girardi

Curadoria: Felipe Guerra e Carolina Montenegro

Artista Convidado: Marcos Scorzelli 

Concepção da Expografia: Marcos Scorzelli e Felipe Guerra

Assessoria de Imprensa: Ana Paulla Righetto

Fotografia: Brunno Covello

Realização: Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Lei Federal de Incentivo à Cultura

 

Serviço:
Idealizado e realizado pela Guanabara Produções Culturais por meio da Lei de Incentivo à Cultura

JARDIM SENSORIAL – Exposição de arte visual
QUANDO: de 03 de maio a 03 de julho de 2022

LOCAL: Ópera de Arame (R. João Gava, 920)
HORÁRIOS PARA VISITAÇÃO: de terça-feira a domingo, das 10h às 22h, e aos domingos, das 10h às 20h.

Entrada: R$15,00 (inteira) e R$7,50 (meia-entrada).
Classificação indicativa: livre